Retomada da economia e uma mensagem de esperança: como foi a 4ª edição do SAP Concur Show 2021

13/10/2021

Na semana passada, tivemos a 4ª e última edição do SAP Concur Show, em 2021, com o tema “Prepare-se para a Retomada”. O objetivo do evento foi abordar as novas perspectivas e o futuro pós-pandemia, com a retomada da economia e a renovação da esperança.
 
Vale destacar que, segundo pesquisa da PwC, 76% dos CEOs esperam uma melhora e retomada da economia ao longo dos próximos 12 meses. Esta edição do evento contou com a apresentação de Murilo Gun e a participação de muitos convidados especiais, como Amyr Klink, navegador brasileiro e também a primeira pessoa a fazer a travessia do Atlântico Sul, e Martine Grael, velejadora brasileira e bicampeã olímpica.
 
Além deles, Denis Tassitano, VP da SAP Concur, e Rodrigo Murad, diretor de marketing da SAP Concur, também participaram junto com a influencer Bibi Tatto, Lucio Big, do Instituto OPS, e Henrique Silva, do Unipar Carbocloro. Por fim, teve um show de encerramento com Nando Reis. Quer saber o que rolou nesta edição do SAP Concur Show 2021? Continue a leitura abaixo e saiba mais sobre os melhores momentos e principais insights, envolvendo a superação dos tempos de turbulência e a calmaria, a preparação para a retomada da economia e como melhorar a gestão de gastos.
 

Parte 1: É hora da calmaria?

Depois de tantos momentos conturbados e desafiadores que vivemos em decorrência da crise provocada pela pandemia do coronavírus, muitas pessoas perguntam se, enfim, será chegada a hora da calmaria.
Então, para começar, Amyr Klink falou sobre a calmaria do mar e o sentimento de derrota, trazendo analogias para a vida corporativa.
 
“A derrota é uma mudança de rota, é a construção de uma rota. É um processo de alta frequência de transformação, que você nunca sabe o que vai acontecer no dia seguinte. O mar calmo, muita gente pensa que delícia, mas não é. É sinal de que vai acontecer alguma coisa. O mar não é para ficar calmo, é um sinal de que há uma transformação em curso. Eu odeio a calmaria, porque alguma coisa vai acontecer e a gente não sabe de onde vem a paulada”, declarou o navegador.
 
“Na água, a gente compreende essa oscilação da calmaria e turbulência. Mas, historicamente, a gente não está acostumado. Muitos pensam: os princípios da nossa empresa foram desenhados há 20 anos. Mas esses 20 anos não existem mais. Nada do que valia há 20 anos vale agora. Então, os projetos precisam se adaptar. Um carro amanhã talvez não exista mais como um objeto particular e a indústria automobilística pode sumir. O conceito de propriedade de casa também pode mudar, porque o mundo tende ao compartilhamento”, comentou Amyr.
 
Denis Tassitano, por sua vez, também corroborou com esse pensamento: “Mar calmo não faz um bom marinheiro. As empresas e as pessoas precisam estar acostumados às mudanças. Então, aí que nos provamos como seres humanos, com a capacidade de resiliência e de conseguir retomar. Daqui para frente, não tem mais calmaria, a mudança será frequente.”
 

Parte 2: Fiscalização de gastos

O ato 2 do evento trouxe o Lucio Big, jornalista, ativista digital e criador do Instituto OPS (Operação Política Supervisionada), que atua na fiscalização de gastos públicos. Ele contou como iniciou esse projeto há 10 anos com o objetivo de identificar e denunciar essas situações.
 
“Dentro de cada órgão, tem setores que fazem o controle interno, mas eles não conseguem dar conta do recado. É necessário que a sociedade tenha força nisso. Muitas vezes, as pessoas veem gastos fora da realidade, como compra superfaturada, mas não têm ideia do que podem fazer para acabar com aquilo. Comecei a fazer esse trabalho direcionado para essas pessoas para que elas saibam o que fazer nessas condições. Com o instituto, é possível fazer denúncias sem expor aquele cidadão”, declarou Lucio.
 
Perguntando sobre o uso de tecnologias para a análise e detecção desses gastos, o criador do projeto explicou como foi essa evolução no instituto. “Quando comecei esse trabalho, comecei de forma manual. Com o passar do tempo, apareceram desenvolvedores para ajudar a levantar dados em assembleias legislativas e no Senado. Em 2007, um desenvolvedor fez um site para automatizar esse processo. Depois, remodelamos o site com um robô que alimenta o site, traz relatórios e feedbacks. Ele está programado para encontrar um tipo de irregularidade e já me manda por e-mail, só que tenho a preocupação de não automatizar tudo, porque nosso objetivo principal é colocar o cidadão para fiscalizar isso tudo”, completou.
 
Denis concluiu o painel, comparando com a questão de fraudes nas empresas: “No mundo corporativo, também temos vários casos de fraudes. A gente não tem tanto contato, porque não tem uma imprensa em cima.”
 

Parte 3: Stalkeando com Bibi Tatto

No bate-papo rápido, Giovana Bergamo, especialista de marketing da SAP Concur, contou um pouco sobre sua trajetória: “Estou há 5 anos na SAP, mas, na SAP Concur, estou há alguns meses. Fazemos muitos eventos, como o Concur Show e o Pocket Show, que são eventos menores, com temas sempre diferentes. Também temos várias campanhas, como agora estamos nos preparando para a retomada da economia. Então, estamos produzindo muitos conteúdos para ajudar as empresas nessa fase.”
 
Já Rodrigo Murad, diretor de marketing da Concur, também falou sobre sua experiência: “Nos últimos 3 anos, estou na SAP Concur que trouxe essa oportunidade de inovar e ser diferente. É um produto 100% na nuvem. O que mais queremos é ousar e trazer coisas diferentes.”

Parte 4: Processos de gestão de despesas

Outro destaque do SAP Concur Show - Prepare-se para a Retomada da Economia foi a história da Unipar Carbocloro com os processos de gestão de despesas corporativas. A empresa foi pioneira na implementação dos pólos petroquímicos de Cubatão, Santo André e Baía Blanca, na Argentina, e hoje produz 4 milhões de toneladas de produtos químicos.
 
Henrique Silva, analista de TI na companhia, relatou os desafios existentes na Unipar e como foi a introdução da solução da SAP Concur. “Em 2007, ainda como estagiário, desenvolvi um sistema de gestão de reembolsos, solicitações e adiantamentos que funcionou de 2008 até 2018. Até 2018, preenchíamos as solicitações no sistema de despesas, pegávamos as notinhas, tínhamos que imprimir o formulário, anexar e enviar para a área financeira via malote. Era bem moroso e era apenas um dos processos, porque ainda tinham outros processos, como compensação de cartão de crédito, que não eram atendidos e ocorriam de forma manual”, explicou.
 
“Então, em dezembro de 2019, fizemos a implementação do SAP Concur Expense. As inovações tecnológicas ajudaram muito, como fotografar o comprovante via celular e a OCR em que a solicitação de despesas já vem praticamente toda preenchida. Outro ponto de destaque é a calculadora de quilometragem, em que basta colocar origem e destino e calcular. Também tem a compensação do cartão de crédito. Passo o cartão hoje, já recebo a nota, tiro a foto e, em até 2 dias, já aparece no Concur para associar a despesa”, finalizou.
 

Parte 5: Martine Grael e lições sobre a vela

A bicampeã olímpica comentou sobre os desafios da vela e as lições que podem ser tiradas do esporte. “Precisamos aprender um pouco de tudo. Tem dia que o vento está forte, tem dia que está fraco. Um dia, você vai ter que superar limites e fazer o que não está confortável”, disse.
 
Ela também falou sobre a calmaria do mar: “A calmaria é um momento para se preparar para as coisas que estão por vir. Ela não ficará ali para frente. Ela está por um tempo limitado. É o tempo que você precisa se preparar para quando vem a tempestade. É o momento de colocar tudo em ordem antes de entrar em ação.”
 
Martine ainda abordou a questão da retomada e os impactos das empresas. “Tenho uma preocupação muito grande sobre as empresas que não procuram remediar o impacto que elas causam, porque acho que elas não seriam lucrativas se tivessem que resolver todos os problemas que elas provocam”, destacou.

Parte 6: Amyr Klink e a travessia do Atlântico

Por fim, no bate-papo com Amyr Klink, ele contou toda sua história até se aventurar na travessia do Atlântico e falou sobre as imprevisibilidades dessa aventura e da vida.
 
“Quando eu vi, eu estava atravessando o Atlântico num barco a remo. Não podia existir uma experiência mais imprevisível e instável. Achei que iria dormir à noite num casulo do barco, mas o balanço era tão forte que a cabeça voava de um lado a outro. Foi um aprendizado gradativo. Foi uma convivência com uma série de ecossistemas que eu não conhecia. Não existia GPS nem sinal de celular. As chances de tentar prever o que poderia acontecer eram remotas. É exatamente o que está acontecendo atualmente, em que você não sabe o que pode acontecer”, comentou.
 
Amyr também falou sobre planejamento. “O planejamento de verdade é estar preparado para mudar de rota a cada 30 minutos. Planejamento é um processo dinâmico e não estático”, completou.

 

Veja novamente o SAP Concur Show: Prepare-se para a retomada da economia

Gostou do nosso resumo sobre o nosso evento de preparação para a retomada da economia? Para ver na íntegra a última edição do ano do SAP Concur Show, acesse aqui e assista tudo. Também fique de olho nos próximos eventos da SAP Concur!