Funções de um gestor financeiro: qual o papel do CFO do futuro?

24/11/2021

Nos últimos anos, as funções de um gestor financeiro sofreram diversas transformações. Antes da pandemia, as mudanças já vinham acontecendo com a necessidade de adaptação à economia digital e ao cenário de inovações e tecnologias. Então, depois da crise provocada pela Covid-19, as modificações foram acentuadas.
 
A verdade é a seguinte: as atribuições e responsabilidades dos CFOs continuam mudando e vão seguir em transformação no futuro. Por isso, entender as funções de um gestor financeiro, neste contexto moderno, digital e vislumbrando o futuro, é fundamental.
 
Inclusive, de acordo com um estudo da Forbes, quase 75% dos CEOs de empresas de alto desempenho acreditam que o papel do CFO crescerá de importância mais do que qualquer outro cargo de diretoria. Além disso, os CEOs valorizam cada vez mais as iniciativas dos diretores financeiros voltadas para o crescimento do negócio e menos para as funções de um gestor financeiro mais tradicional. Cerca de 49% dos executivos definem a abordagem estratégica e o pensamento analítico como atributos indispensáveis para um CFO moderno.
 
No entanto, apesar de tais perspectivas, ainda existe um certo temor em relação à capacidade dos diretores financeiros. De acordo com a pesquisa, 33% dos CEOs sentem que os CFOs não estão à altura do desafio, e 32% acreditam que eles não entendem e não os ajudam com os obstáculos e adversidades de administrar a organização.
 

Quais os principais gargalos vistos nas funções de um gestor financeiro?

Fica evidente que o CFO passou a ocupar uma posição mais estratégica dentro das empresas. Claro que o modo como as finanças são planejadas, gerenciadas e controladas segue sendo importante. Mas o longo prazo, a visão do impacto das ações financeiras na organização como um todo, a capacidade de tomar decisões e definir novas estratégias ganharam maior atenção por parte dos gestores financeiros modernos. Ou seja, não bastam as atribuições tradicionais voltadas para gestão fiscal, contábil, administrativa, tributária e financeira. O CFO do futuro terá que ir além. Sim, ainda é preciso garantir:
  • Conformidade com a legislação;
  • Controle de fluxo de caixa, contas a pagar e a receber;
  • Planejamento e a avaliação dos objetivos financeiros e orçamentários;
  • Controle dos custos e despesas dentro do orçamento.
Porém, agora, o CFO deverá continuar cuidando disso tudo e ficar atento às novas funções de um gestor financeiro.
 

8 novas funções de um gestor financeiro moderno

Com foco na estratégia e visão analítica, as funções de um gestor financeiro moderno passam também por uma série de atribuições e responsabilidades nos negócios. Vamos a elas:

1. Olhar para as tecnologias e inovações

A transformação digital está mais do que fortalecida e as aplicações das tecnologias e inovações podem ser vistas em todos os setores das empresas. Na gestão financeira, não é diferente. Então, saber como conduzir esses processos de investimentos em ferramentas realmente úteis para os negócios é um dos novos papéis dos CFOs.
 
Ainda segundo o levantamento da Forbes, 63% dos CEOs acreditam que a tecnologia terá o maior efeito na função futura dos CFOs. Até porque os executivos esperam que os diretores financeiros usufruam das inovações para otimizar o seu trabalho, trazer maior riqueza de informações financeiras e conseguir ser mais estratégico na avaliação de novos mercados, melhorando o desempenho financeiro.
 

2. Ter capacidade de liderança e gestão de talentos

Anteriormente, as funções de um gestor financeiro estavam muito mais ligadas às competências técnicas. No entanto, com essas mudanças constantes, os CFOs também precisam cada vez mais se capacitar para exercer um papel de influência, liderança e gestão de talentos.
 
Inclusive, 80% dos CEOs dizem que nada é mais importante do que aprimorar a gestão de talentos. Assim, eles acreditam que seus CFOs podem e devem fazer um trabalho melhor no gerenciamento de suas equipes.
 

3. Promover uma visão ampla sobre as estratégias de negócios

Os diretores financeiros são os responsáveis por acompanhar o status financeiro, verificar e projetar os resultados financeiros no médio e longo prazo. Então, eles também ficam incumbidos de validar os planejamentos estratégicos para atingir os objetivos.
 
A diferença é que, antes, os novos projetos e direcionamentos de negócios só chegavam às mãos dos CFOs na hora de fazer o orçamento e aprovar os projetos. Porém, às vezes, corria-se o risco de todo o trabalho feito na etapa anterior ser jogado fora por ter um custo muito alto, fora do orçamento, sendo descartado pelos CFOs.
 
Desse modo, atualmente, com os envolvimentos, análises e decisões multidisciplinares, os CFOs acabam por colaborar e contribuir mais para a criação de produtos, projetos e serviços que estejam alinhados aos custos possíveis de serem arcados dentro da empresa. Da mesma forma, é possível ainda ter uma visão de quais os produtos serão mais lucrativos.
 
Portanto, para desempenhar tal papel, o CFO precisa assumir uma visão mais ampla de negócios e com capacidade de avaliar cenários para tomar decisões, a partir de análises financeiras.

4. Estudar e prever a disponibilidade de recursos

Falar em cuidar das finanças é pensar o básico sobre as funções de um gestor financeiro. Contudo, é importante lembrar que enfrentamos um cenário complexo, de constantes mudanças e necessidade de agilidade para se adaptar. Ou seja, o CFO passa a ter um papel fundamental de realocação e redistribuição de recursos de acordo com as necessidades, demandas e conjunturas. Assim, é possível fazer o investimento adequado, seja em recursos humanos, compras de novos equipamentos, aquisição de novas tecnologias, entre outros itens, de forma a gerar o melhor resultado para a empresa.
 
Inclusive, de olho nesta situação, a depender da organização, é comum ver o CFO assumindo a liderança de outros setores, como TI e RH. Com isso, fica mais fácil fazer o gerenciamento dos ativos e recursos, com o uso do orçamento com maior assertividade e garantindo escolhas mais estratégicas.
 
Assim, também fica garantido que os recursos serão destinados com equilíbrio, pensamento estratégico e qualidade. Como consequência, nenhum setor fica com orçamento comprometido, enquanto sobram verbas no outro.
 

5. Centralizar e analisar os dados para embasar suas decisões

Como já comentamos, o CFO moderno tem atribuições cada vez maiores em relação a avaliações e tomadas de decisões estratégicas. Mas como ter informações de maior qualidade para facilitar a análise e o embasamento das decisões?
 
É fundamental inserir novas tecnologias e ferramentas de trabalho, como big data, análise preditiva de dados e outras aplicações empresariais. Dessa forma, é possível centralizar todo o conhecimento sobre o negócio, evitando informações fragmentadas e desencontradas.
 
O resultado de toda essa centralização e integração dos dados é a possibilidade de ter um panorama completo da saúde financeira da empresa. Então, os gestores financeiros podem traçar planejamentos para a continuidade e a expansão do negócio, atrelando tudo o que será exigido dos demais setores para contribuir com a maior lucratividade e crescimento.
 

6. Tornar-se um especialista em investimentos

Com as funções de um gestor financeiro cada vez mais voltadas para a organização e gerenciamento de verbas e custos, também é importante que ele tenha uma visão de investimento e aplicação de recursos. Assim, os CFOs devem saber como fazer o dinheiro da empresa render, verificando as melhores rentabilidades em um investimento.
Mas, além do conhecimento em investimento e rentabilidade, os CFOs devem ser capazes de analisar as possibilidades de:
  • Fusão e aquisição de empresas;
  • Abertura de ações na bolsa de valores, com todos os procedimentos necessários para fazer o IPO, especialmente na BM&FBOVESPA.
Esses dois tipos de situações são comuns para empresas que estão em crescimento. Por isso, os diretores financeiros precisam guiar as organizações por tais caminhos, de olho nos interesses dos sócios e acionistas.
 
Claro que o CFO moderno não deve se focar apenas nisso, virando quase um trader profissional. Eles devem ter habilidades e capacidades para avaliar essas conjunturas, auxiliar as decisões dos CEOs sobre as melhores estratégias e poder monitorar os resultados das ações.

7. Integrar-se com outras áreas

Já mencionamos anteriormente que as funções de um gestor financeiro moderno passam, muitas vezes, pela liderança de outras áreas. No entanto, mesmo que o CFO não comande esses setores, ele deve ser capaz de interagir e se integrar com as mais diversas equipes da empresa.
 
A partir dessa comunicação, fica mais fácil o CFO ter uma visão mais adequada de todos os departamentos, entendendo suas necessidades e demandas. Assim, ele sabe como pode contribuir com cada setor, com investimentos mais assertivos e inteligentes para guiar as estratégias e ajudar a melhorar os resultados financeiros.
 
Portanto, o CFO moderno não deve ficar isolado e sim se envolver com os mais variados colaboradores. Essa liderança mais aberta é valiosa, inclusive, para promover projetos mais produtivos, inovadores e rentáveis.
 

8. Gerenciar e compartilhar informações

Para encerrar nossa lista de características e funções de um gestor financeiro do futuro, um papel crucial do CFO é o de lidar com as diversas informações de negócio. Como um líder de visão completa da empresa e que reúne a análise dos principais dados financeiros, o CFO tem acesso a muitas informações.
 
Então, o líder financeiro precisa saber trabalhar todos esses dados, separando o que é sigiloso e deve ser guardado, e o que é importante de ser compartilhado com a equipe de forma a contribuir com os projetos e atividades.
 
Esta situação é outra quebra de paradigmas para os CFOs que estavam acostumados a esconder todos os números, incluindo vendas, faturamento e lucratividade. No entanto, hoje em dia, cada vez mais a gestão transparente é requerida.
 
Logo, é válido dividir as informações para que todos os colaboradores entendam o cenário do negócio, compreendam as estratégias tomadas e, inclusive, se sintam mais envolvidos e motivados.

Principais desafios encarados pelo CFO moderno

Tendo em vista todas as funções de um gestor financeiro do futuro e o cenário atual que vivemos, fica claro que o CFO moderno enfrenta alguns desafios para se adaptar, otimizar a gestão financeira e garantir os melhores resultados. Entre eles, podemos citar 3 principais:
 
- Futuro do trabalho: os modelos de home office e formato híbrido mudaram a forma como as despesas dos colaboradores são realizadas. Então, é algo que impacta diretamente nas estratégias financeiras.
 
- Processos manuais: mesmo com a transformação digital, ainda existem muitas operações manuais no setor financeiro e em outras áreas, que podem ter ganhos de agilidade, eficiência e economia no caso de automação.
 
- Soluções não centralizadas: já imaginou ter 5, 6, 10 ferramentas tecnológicas na sua empresa e elas não se comunicarem? Um grande problema, com certeza. Por isso, um desafio dos CFOs modernos é centralizar tudo isso para ter informações integradas e melhorar a tomada de decisão.
 

Conte com a SAP Concur

Para facilitar a execução das funções de um gestor financeiro moderno, nada melhor do que contar com tecnologias que proporcionem toda essa visão analítica e capacidade estratégica. Para isso, conheça a SAP Concur. Fornecemos uma solução inovadora na gestão de despesas e viagens corporativas, o SAP Concur Travel & Expense.
 
A ferramenta proporciona automação de processos para prestação de contas, relatórios de despesas e reembolsos, possui um sistema alocado na nuvem, conta com alta capacidade de geração e análises de dados, e tem funcionalidades para detecção de fraudes, além de integração com sistemas ERP. Com isso, é possível ter melhor visibilidade de gastos, com os CFOs ficando de olho nas despesas, nos orçamentos e no fluxo de caixa. O que garante maior controle de custos.
 
Quer saber mais sobre nossa ferramenta de gestão de despesas e viagens? Faça uma demonstração autoguiada agora mesmo!